Nossa garota

Nossa garota

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

CÃO É O MELHOR AMIGO A MAIS DE TRINTA MIL ANOS

Cão é melhor amigo do homem há 30 mil anos



Muito antes de os novíssimos cães de bolso ganharem fama, o melhor amigo do homem já fazia parte do cotidiano da sociedade. Em um estudo divulgado este mês, cientistas de três países analisaram fósseis caninos encontrados onde hoje é a República Tcheca e concluíram que os cachorros convivem com os humanos desde o período Paleolítico, há cerca de 30 mil anos. A pesquisa confirma resultados de dois artigos anteriores e derruba a tese de que esses animais só teriam sido domesticados depois da última era glacial, 14 mil anos atrás. Mais que isso: os pesquisadores acreditam que, além de antiga, a relação com o companheiro de quatro patas foi essencial para a evolução do Homo sapiens.
Os cães pré-históricos foram encontrados em um sítio arqueológico da cidade de Predmosti , no Leste da República Tcheca. O achado, na verdade, não é recente: as escavações do que pareciam ser esqueletos de cachorros ocorreram no fim do século 19 e no início do século 20, mas somente agora os cientistas se preocuparam em datar e identificar as ossadas. “A ideia geral era de que os homens caçadores/coletores só tinham começado a domesticar os lobos no fim da era glacial. No entanto, o achado do cão de Goyet (na Bélgica), que tem cerca de 32 mil anos, indicou que o processo teve início muito antes. O cachorro de Predmosti corrobora isso”, explicou ao Estado de Minas a pesquisadora Mietje Germonpre, do Instituto Real Belga de Ciências Naturais.
Os cachorros de Goyet (um dos mais antigos encontrados até agora) e de Predmosti (com idade estimada em 27 mil anos) eram muito maiores do que os bichos de estimação de hoje em dia, mas já tinham características semelhantes às de raças de grande porte. Os cães da República Tcheca pesavam cerca de 35 quilos e tinham largura de 61 centímetros de um ombro a outro. “A forma do crânio se parece com a de um husky siberiano, embora os cães daquela época fossem bem mais pesados do que um husky moderno”, diz a pesquisadora. Esses animais eram descendentes de lobos e sua domesticação foi confirmada depois de uma série de comparações com espécies selvagens que viviam na região.
Os cientistas analisaram três crânios dos cães de Predmosti. “Eles têm a cabeça significativamente mais curta do que a dos fósseis de lobos e o focinho também é menor. Além disso, a caixa craniana e o palato são maiores em relação aos dos parentes selvagens”, descreve Mietje. O que mais comoveu os pesquisadores, no entanto, não foi a confirmação de que as ossadas eram de cachorros pré-históricos, e sim a provável relação entre os animais e os humanos daquela época. Um dos bichos foi enterrado com um grande osso na boca, o que indica a prática de rituais com os amigos de quatro patas. “Os elementos religiosos (que encontramos) apontam uma profunda conexão entre homens e cachorros”, comenta Mikhail Sablin, pesquisador russo que também participou do estudo.
Laços reforçados
Para a professora Susan Crockford, da Universidade de Victoria, no Canadá, essa amizade começou por interesse, mas se fortaleceu devido ao misticismo dos povos pré-históricos. Segundo Susan — que investigou ossadas caninas de 33 mil anos encontradas na Sibéria — os primeiros lobos domesticados eram bem-vindos, pois acabavam com resíduos deixados pelos homens e alertavam contra potenciais perigos, como a presença de ursos. “As pessoas também devem ter pensado que os primeiros cães tinham poderes mágicos. Para os anciãos da aldeia, que observavam os lobos selvagens se transformarem em amáveis bichos, era óbvio que um ser como esse teria poderes especiais”, supõe Susan.
Com o passar do tempo, a importância religiosa do melhor amigo do homem ficou ainda maior. Embora as ossadas do período Paleolítico não tenham relação comprovada com outras encontradas anos depois, a conexão com os cães se manteve ao longo dos séculos. Depois da última era do gelo, por exemplo, era comum que as pessoas fossem enterradas com seus bichos de estimação. “A ideia dessa prática era prover o espírito do humano falecido com um espírito canino, que serviria como um ‘guia’ para a passagem ao outro mundo”, interpreta a professora da Universidade de Victoria.
Todas essas análises e observações, porém, não explicam por que os humanos deixaram que os primeiros lobos se aproximassem. Afinal, as duas espécies eram concorrentes na busca por alimentos — uma tarefa que não devia ser nada fácil no ambiente pré-histórico. A cientista Pat Shipman, da Universidade de Penn State, na Pensilvânia, credita o começo dessa relação ao conhecimento que os homens acumularam ao observar os animais e à confiança que eles adquiriram com esse aprendizado. “Acho que alguém provavelmente trouxe um filhote de lobo para casa, e isso deve ter acontecido várias vezes”, especula Pat, uma das maiores especialistas em ecologia de ambientes antigos. “Ninguém pensou em criar os bichos, mas, com o passar do tempo, surgiu um sistema no qual ‘bons’ filhotes, ou menos agressivos, passaram a ser alimentados e protegidos, enquanto os outros foram mortos e, talvez, comidos”, detalha.
Pat Shipman vai ainda mais longe. Para ela, esses animais acabaram contribuindo para que os humanos desenvolvessem a linguagem. Em um artigo publicado em maio na revista New Scientist, Pat aponta que uma das primeiras formas de comunicação, a pintura rupestre, se concentrava em registrar momentos dos homens com seus animais domesticados — aí entram outros que surgiram depois, como ovelhas e bichos de carga, por exemplo. “A antiga associação entre o Homo sapiens e os cachorros foi um bom negócio para ambas as espécies. Mesmo que os animais não vivessem dentro de casa, mantê-los em assentamentos foi uma grande vantagem”, diz a especialista.
ENTREVISTA
‘‘Conexão forte e antiga’’
Como era a relação entre humanos e cachorros no período Paleolítico?
Nossos antepassados fizeram uma espécie de parceria com os cães e, ao longo do tempo, isso influenciou a composição genética desses animais. Seres humanos de todo o mundo respondem tão calorosamente à presença de um cão amigável que os fatores emocionais, certamente, contribuíram ao processo de domesticação. Tenho certeza de que os homens do Paleolítico gostavam de seus cachorros e cuidavam deles, embora ninguém tenha decidido transformar lobos em cães.
Por que os animais foram importantes para o desenvolvimento da linguagem?
Eu acho que eles foram cruciais nesse processo porque a informação sobre os animais garantiu a sobrevivência de nossos ancestrais. Uma vez que o homem pré-histórico tinha ferramentas de pedra, ele precisava prestar muita atenção em outros animais, a fim de ter sucesso em suas caças. Com o tempo, o conhecimento detalhado sobre os bichos cresceu — seus hábitos, seu olhar, a maneira como eles se alimentavam, se eles viviam isolados ou em grupos, o que significavam suas posturas e assim por diante. A linguagem, então, foi desenvolvida para organizar e transmitir essa informação de um indivíduo para outro. A prova de que o conhecimento sobre animais foi o fator motriz no desenvolvimento da linguagem vem da mais antiga evidência simbólica que podemos compreender: a arte pré-histórica. Nessa manifestação, o registro dos animais é extremamente rico.
No que mais os animais foram importantes?
Minha hipótese é de que a conexão entre humanos e animais é muito antiga e teve uma forte influência sobre a direção da evolução humana. Em um trabalho que deve ser publicado em breve, mostramos que o cérebro humano é extremamente sensível a imagens de animais, o que prova a existência de um forte componente genético nas ligações entre nós e eles. Cães, sendo os primeiros a serem domesticados, são intimamente ligados aos seres humanos, e vice-versa.
Do Estado de Minas
Fonte: Pernambuco.com - Publicado neste site em 26/10/2011

2 comentários:

Fênix27 disse...

Olá.
Feliz Ano Novo para ti e todos os seus.
Cada vez que venho aqui fico deslumbrada, com a qualidade do seu post.Que descoberta maravilhosa,mas o cão é amigo do homem, e sempre será.
Tudo depende de como elê é criado,tratado com respeito e amor,com certeza a gratidão do animal é grande, pelo seu dono(pelo homem).
Bjos.

JOÃO disse...

Obrigado amiga Fênix com todas as suas colaborações e elogios ao blog. Isso nos anima muito a continuar a mostrar os mitos e verdades sobre a raça. Mais uma vez seu amigo esta aqui e o que precisar pode contar com a gente Abraços Joao batista