Nossa garota

Nossa garota

segunda-feira, 19 de abril de 2010

CUIDADOS COM A CADELA NO CIO

Cuidados com a cadela no cio

Descubra quando ocorre o cio, quanto tempo dura e o que fazer durante este período para manter sua cadela saudável

Quando escolhemos o sexo do nosso pet, temos que sempre colocar muitas coisas na balança, pois ambos os sexos exigem alguns cuidados. As fêmeas, por exemplo, passam pelo cio, que nada mais é do que o momento em que a cadela estará pronta para o acasalamento.
O cio, normalmente, inicia-se na vida de uma cadela a partir dos 6 meses de idade, podendo vir a primeira vez até os 2 anos de idade. Isso varia de acordo com o porte do animal, por exemplo: quanto menor é o porte, antes começará o cio. Para os cães de porte pequeno, é entre os 6 e 10 meses de idade, e nos animais de maior porte, por volta de 1 ano de idade.
Esse período em que a cadela aceita o macho para o acasalamento acontece duas vezes no ano, de 6 em 6 meses, durando entre 6 e 30 dias.

Como identificar o cio?

Você poderá perceber que a sua cadela entrou no cio quando perceber alguns sintomas, como aumento na frequência da urina, vulva edemaciada, sangramento e um comportamento mais carinhoso por parte da cadela.

Cuidados

Em primeiro lugar, esse alerta vai, principalmente, para os tutores que têm o costume de deixar os cães saírem para a rua para dar uma “voltinha”. Esse hábito, além de ser perigoso para o cão – risco de perder-se ou atropelamento, por exemplo – pode, no caso da fêmea, acabar trazendo uma gestação indesejada.
Mantendo-a em casa, você ainda vai prevenir a transmissão de parasitas, contágio de DST, e controlar a superlotação de cães de rua, trazendo benefícios para todos. Se você deixá-la no jardim da frente, isso atrairá os cães machos da rua para o seu portão, pois ela solta um aroma característico atrativo para os machos.

Anticoncepcional x castração

Muita gente procura como alternativa para a castração os anticoncepcionais caninos. Estes, no entanto, não são nem um pouco recomendados, pois pode trazer muitos problemas de saúde sérios que podem, inclusive, causar a morte da cadela.
O ideal é castrar o animal, pois assim você irá prevenir todos os problemas da gestação, e a pseudociese, que é quando a fêmea apresenta gravidez psicológica. É importante fazer acompanhamento médico para que não seja feita nenhuma medicação sem orientação.
As cadelas que são castradas antes do primeiro cio têm tendência a viver uma vida mais longa e com menos riscos de saúde e doenças uterinas, ou ainda câncer de mama. Se você não pretende cruzar sua cadela, essa é a melhor opção.
Fonte de pesquisa :http://clubeparacachorros.com.br/adultos/cuidados-com-a-cadela-no-cio/


quarta-feira, 7 de abril de 2010

DOENÇAS COMUNS EM CÃES

6 PROBLEMAS DE PELE COMUNS NOS ANIMAIS
WWW.VIVAPETS.COM




Os problemas de pele são extremamente incomodativos para os animais. As alterações na pele e pêlo podem ter uma grande variedade de causas, mas os sintomas são bastante semelhantes.


Não é difícil perceber que um animal está com problemas de pele: vermelhidão e prurido, comichão, são geralmente os sintomas mais perceptíveis. Contudo, identificar a doença não é tão imediato como descobrir os sintomas. Alguns problemas de pele são difíceis de diagnosticar e a grande maioria requer um tratamento que se prolonga por bastante tempo. Paciência é o que se requer quando se trata de doenças tão incomodativas.


As principais doenças de pele que se manifestam nos animais de estimação, tipicamente, cão e gato, são:
1 - Parasitas externos As pulgas são a principal causa de problemas de pele. Estes animais sugam o sangue deixando para trás pequenas marcas, ou borbulhas. Alguns animais fazem alergia às picadas de pulgas o que desencadeia uma reação mais marcada.


Carraças e ácaros são outros parasitas externos aos quais convém estar atentos. Os parasitas externos quebram a barreira protetora da pele e podem por isso causar infecções bacteriológicas. A prevenção é a melhor forma de lidar com estes invasores indesejados. Consulte o veterinário para saber qual o produto e dose indicada de desparasitante a aplicar no animal.


A sarna é também causada por ácaros. Existem dois tipos de sarna, a demodécica e a escabiose, causadas por dois ácaros distintos. Esta última pode ser transmitida entre cães, gatos e humanos.
2 - Alergias


As alergias manifestam-se nos animais de forma muito semelhante ao modo como se manifestam nos humanos. Zonas vermelhas, comichão ou prurido e perda de pêlo são os principais sintomas. A alergia à picada de pulga é a mais comum nos animais, mas existem outros produtos conta á alergia capazes de alterarem o estado da pele.


Ácaros, bolor e pólen compõem os mais comuns inaláveis responsáveis pelas alergias atópicas. Menos comuns são as alergias alimentares que os animais desenvolvem em relação, sobretudo a alimentos proteícos, tais como a carne, o ovo e a soja. Existem ainda alergias mais raras das quais por vezes é difícil descobrir a origem. As alergias por contacto são um exemplo disso, há animais que têm alergia quando tocam em determinados materiais, tais como a lã.


Descobrir o que desencadeia a alergia no animal é muito importante para conseguir combater as reações do sistima imunitário, já que o segredo para acabar com as alergias é diminuir a exposição do animal ao alérgeno. Assim, acabar com pulgas, manter a casa livre de ácaros ou alterar a dieta do animal é o caminho a seguir conforme o tipo de alergia. Nos casos mais complicados, como por exemplo, com os alérgenos inaláveis, os animais podem necessitar de medicamentos, tais como anti-histamínicos, ou banhos com produtos especiais.
3 - Infecções bacterianas/ Pio dermites


Geralmente surgem quando o cão tem outro problema de pele, por exemplo, uma pulga ao furar a pele pode injetar bactérias na corrente sanguínea. Mas de entre os problemas de pele, a alergia é talvez a que mais causa infecções bacterianas. Assim, é importante tratar a pio dermite, mas também descobrir o que a originou, para evitar que possa reaparecer.
4 - Micose


As micoses são infecções causadas por fungos. São transmitidas entre animais e podem também ser passadas ao homem. O diagnóstico é feito através da cultura de uma amostra de pele e da análise ao microscópio. O tratamento é geralmente feito com base em antifúngicos e banhos com produtos especiais.
5 - Alterações hormonais


Os problemas de pele podem ser causados por alterações hormonais desencadeadas por outras doenças, tais como o hipotiroidismo ou a diabetes. Visto tratar-se de uma doença secundária, a solução passa pelo tratamento da doença principal.
6 - Doenças auto-imunes e imunomediadas


Existem várias doenças auto-imunes e imunomediadas que causam alterações na pele e pêlo dos animais. Estas condições são raras, mas já há muita literatura sobre as mesmas. Entre estas doenças, as que mais se encontram em cães e gatos são o pênfigo e o lúpus.




Os problemas de pele necessitam de ser diagnosticados por um veterinário. Não hesite em levar o seu animal a um médico para ser observado se encontrar